Início do Sínodo Arquidiocesano

21/02/2018 - 10:00

Dia 24 de fevereiro, abre-se solenemente o sínodo arquidiocesano de São Paulo, que deverá concentrar o melhor de nossas atenções e esforços ao longo deste e dos próximos anos. Após a preparação de mais de um ano, esse evento extraordinário deverá marcar a vida de nossa Arquidiocese e será uma ação eclesial envolvente, uma espécie de “mutirão eclesial” para o qual todos estão convocados, com o objetivo de buscar o maior bem para a vida e a missão da nossa Igreja em São Paulo.

O sínodo diocesano é um tempo propício para “ouvir o que o Espírito diz à Igreja” de São Paulo (cf Ap. 2). O tema do caminho sinodal expressa o grande propósito de fazer um “caminho de comunhão, conversão e renovação missionária” em nossa Arquidiocese e responde ao apelo que nos vem da Palavra de Deus e da Igreja e da voz das circunstâncias atuais. E o lema – “Deus habita esta Cidade. Somos suas testemunhas” – recorda-nos a razão de ser de nossa Igreja e sua missão na Metrópole paulistana. Somos testemunhas de Jesus Cristo, de muitas maneiras. 

O hino recorda as origens missionárias da cidade de São Paulo e da Igreja nela presente. A Metrópole de hoje nasceu ao redor de um altar e de uma escolinha e com um projeto de vida baseado nos valores do Evangelho do reino de Deus. As primeiras sementes do 
Evangelho foram aqui semeadas por santos missionários, entre os quais São José de Anchieta. Hoje, essa missão é de todos nós e, por isso, buscamos a nossa conversão e renovação missionária, como o Magistério do Papa Francisco tanto pede.

A oração do sínodo é dirigida ao Espírito Santo, permanente animador e renovador da Igreja de Cristo. O sínodo inteiro deve deixar-se conduzir serena e atentamente pelo Espírito de Deus, que inflamou de zelo apostólico o próprio Jesus e os discípulos na origem da pregação do Evangelho e também ao longo de toda a história da Igreja. O mesmo Espírito também inspirou e animou os missionários e os pastores da Igreja em São Paulo, antes de nós. Inspirou os Santos e Bem-Aventurados que aqui viveram e deram seu belo testemunho de Jesus Cristo, como Anchieta, Galvão, Madre Paulina, Padre Mariano e Madre Assunta. O Espírito de Deus, ainda hoje, continua a animar e conduzir os discípulos missionários de Jesus Cristo na sua dedicação à missão e no testemunho da fé, esperança e caridade. 

O trabalho do sínodo, além da organização e preparação dos instrumentos de trabalho, inclui muitas ações e iniciativas, a oração, a escuta da Palavra de Deus e da Igreja, a avaliação das realidades que nossa Igreja em São Paulo enfrenta e o atento discernimento dos “sinais dos tempos” que aparecem nessas realidades. As “urgências da evangelização e da pastoral”, explicitadas no 12º Plano de Pastoral da 
Arquidiocese (2017-2020), já tratam de várias dessas situações que devemos enfrentar. Na realização do sínodo, a Arquidiocese inteira é convocada a uma nova tomada de consciência sobre a sua vida e missão e a renovar seus propósitos e disposições em relação à evangelização

Do Concílio Vaticano II até nossos dias, quer pelo Magistério pontifício, quer ainda através do Magistério dos bispos locais, apareceram muitas e importantes indicações e apelos, convidando a Igreja a se renovar na sua organização e missão. Exemplos dos mais recentes desses importantes documentos da voz da Igreja são o Documento de Aparecida (2007), para a América Latina e o Caribe, e a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium (2014), do Papa Francisco. Também no Brasil, a CNBB fez apelos em documentos recentes, que recolhem e traduzem para a realidade brasileira os mesmos apelos urgentes à renovação missionária. Nossa Arquidiocese tem feito vários Planos de Pastoral, traduzindo em prioridades e urgências pastorais aquilo que temos a fazer em São Paulo. 

Tudo isso, porém, pode continuar sem efeito, se não houver uma verdadeira conversão de nossa mentalidade e cultura pastoral. Não podemos continuar com uma mera conservação pastoral. É preciso que nos tornemos, sempre mais, uma “Igreja em saída”, em estado permanente de missão. Que o Espírito Santo nos ajude a alcançar esse objetivo através do caminho sinodal.

Cardeal Odilo Pedro Sherer
Arcebispo Metropolitano de São Paulo
Publicado em O SÃO PAULO, na edição de 21/02/2018