O ser humano não é um projeto fracassado...

04/05/2017 - 14:30

Num processo de criação nem sempre tudo dá certo. Algumas ideias são boas, mas às vezes um projeto não funciona como esperado, e nesse caso abandonar tudo pode parecer o caminho mais fácil. O ser humano é obra da bondade de Deus, que criou todas as coisas e viu que tudo era bom (cf. Gn 1, 1-31).

Mas o pecado parece interromper essa bondade, colocando em xeque a continuidade do projeto. Será que o ser humano é uma obra pela qual vale a pena lutar? Não teria sido mais fácil cancelar e recomeçar criando tudo de novo?

Deus é o criador de todas as coisas, mas é também Ele que continua sustentando tudo o que foi criado. Sem a continuidade da ação divina, tudo deixaria de existir. Mesmo depois da queda e do pecado original, Deus não desistiu do ser humano, “criado à sua imagem e semelhança” (cf. Gn 1,27).

Por isso, “na plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sujeito à lei, para resgatar os que estavam sujeitos à lei” (Gl 4, 4-5). A encarnação do Verbo é a primeira prova de que Deus não abandonou a criação à sua própria sorte, mas que Ele continua a ocupar-se dela. O mistério da cruz é a segunda e definitiva prova do compromisso de Deus com a humanidade. Assim, tudo o que foi assumido na encarnação foi redimido na cruz, por Jesus, o Filho de Deus.

Todo o mistério da nossa criação e da nossa redenção está marcado pelo amor. Mas quando olhamos à nossa volta, ainda conseguimos ver os sinais e as consequências do pecado, as marcas da violência, as guerras e a fome, a miséria e os sofrimentos de milhares de pessoas. Onde está a vitória de Cristo?

Em Cristo Ressuscitado, o Pai confirmou que não nos esqueceu, perdidos em nossos sofrimentos, abandonados na cruz. Então, a pergunta é outra, e está direcionada a cada um de nós: Por que nos esquecemos de Deus e do seu amor? Quanto mais o homem se afasta de Deus, tanto mais aparecem os sinais do pecado e da morte.

Mas, ainda assim, Deus não desiste de nos amar, e por isso o mistério pascal reacende em nós a esperança de vida. O ser humano não é um projeto fracassado, uma obra falida, que não deu certo, existe esperança porque somos amados e fomos resgatados. O Filho de Deus, Jesus Cristo, comprometeu tudo de si, até sua vida, para testemunhar isso. Essa é a verdade que tem a força de dar novo e pleno sentido à nossa existência, e também é o único caminho para promover uma justa e autêntica transformação do mundo.

Dom Devair Araújo da Fonseca 

Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia

​Artigo publicado no Jornal O SÃO PAULO - Edição 3149 - De 4 a 9 de maio de 2017