São Francisco Xavier (Colégio)

A A
São Francisco Xavier
PADROEIRO
03 de Dezembro

Data da fundação

Setor

Ipiranga

Endereço

 Rua Moreira e Costa , 29 , Ipiranga

Contato

 (11) 3013-0320
 (11) 3013-0366
 Atendimento da secretaria
Breve história 

O Colégio São Francisco Xavier, no bairro Ipiranga, São Paulo, celebra em 2014, 86 anos de existência. Foi fundado por um dinâmico Jesuíta italiano, entusiasmado com a evangelização dos imigrantes japoneses para o Brasil: O Padre Guido del Toro, SJ. Natural de Monte Pulciano, na Toscana, Itália, nasceu aos 26 de junho de 1876. Ordenado sacerdote no ano de 1911 deixou a Itália em 1914, rumo ao Brasil.

O Pe. Guido decidiu, então, dedicar-se de corpo e alma à evangelização dos imigrantes japoneses e seus descendentes. Surge assim a idéia de fundar uma escola de orientação cristã para os filhos de imigrantes japoneses e em 1928, inaugurou-se, na Liberdade, a escola com o nome de “Collegio Catholico Japonês São Francisco Xavier”, numa casa alugada à Rua da Liberdade, 149.

No ano seguinte, no dia 16 de julho, festa de N. Sra. do Carmo, a SBE (Sociedade Brasileira de Educação), nome civil dos jesuítas nesta região, recebia, por solicitação do Pe. Guido del Toro, SJ, um terreno de 6.800 m2, na colina do Ipiranga, ao lado da “Estrada velha de Santos” ou “Caminho de Anchieta”, onde atualmente funciona o colégio. Foram doadores o Dr. José Vicente de Azevedo e sua esposa D. Cândida Bueno Lopes de Oliveira Azevedo, sendo Provincial o Pe. Marcelo Renaud.

Em 1931 iniciaram-se os trabalhos da construção do novo edifício no Ipiranga que, andando o tempo, se tornaria o Colégio São Francisco Xavier, verdadeiro centro da missão Japonesa dos Jesuítas em São Paulo.

No dia 03 de novembro de 1931 foi realizada a transferência do colégio, da Avenida Liberdade para a Rua Moreira e Costa, 531, e no dia 12 de março foi realizada a inauguração oficial. No dia 19 de março de 1932, dia de São José, o Pe. Guido teve a alegria de celebrar a primeira missa no salão de estudo do novo prédio.

Em 1950 foi concedida autorização para o funcionamento condicional da escola como “Ginásio São Francisco Xavier”. Durante 16 anos funcionou como Ginásio e Primário.

No início da década de 60, o prédio do colégio estava praticamente concluído, inclusive a igreja e o salão de artes. A construção desta ala localizada ao longo da Rua Padre Marchetti foi feita pelo Padre Shigeo Takeuchi por ocasião das bodas de ouro, da imigração Japonesa em 1958.

Em 1966 foi aprovada a instalação do então segundo grau, passando a ser Colégio São Francisco Xavier.

Em 1969, seguindo o exemplo de outros Colégios Jesuítas e atendendo às solicitações das famílias, abriram-se as portas para as meninas, tornando-se colégio misto, como pede a orientação educativa atual.


Os reitores Jesuítas que governaram o colégio são:

De 1950 a 1959: Pe. Inácio Shigeo Takenchi, SJ também superior da missão japonesa depois que o Pe. Guido del Toro, SJ foi destinado ao colégio Antônio Vieira de Salvador, SJ, Bahia.
1961 a 1965: Pe. Ângelo Banki, SJ 
1965 a 1971: Pe. André Massao Ozaki, SJ
1971 a 1977: Pe. Fernando Maria Álvarez de Miranda, SJ
1977 a 1983: Pe. José Maria Herreros Robles, SJ
1983 a 1984: Pe. Angel López Abad, SJ
1984 a 1987: Pe. Paulo Pedreira de Freitas, SJ
1987 a 1988: Pe. Luis Pecci, SJ
1988 a 1992: Pe. Roberto Villar, SJ
1992 a 1999: Pe. Nelson Lopes da Silva, SJ
1999 a 2005: Pe. Laerte J. Cargnelutti, SJ
2005 a 2010: Pe. Manuel Madruga Samaniego, SJ
2011: Pe. Eduardo Henriques, SJ
2012: Pe. Eduardo Beltramini, SJ



Na atualidade, continuamos a receber com todo o carinho os filhos dos nisseis, mas o colégio está aberto também para alunos de outras procedências.
Durante o Reitorado do Pe. Nelson Lopes da Silva, SJ foi comprada uma bela chácara em Riacho Grande, junto à represa Billings para os cursos de formação dos alunos, professores, funcionários e pais. Isto solucionou um grande problema.

O Pe. Nelson, percebendo a necessidade de maior espaço para um colégio em pleno desenvolvimento, autorizado pelo Provincial, comprou duas casas contíguas localizadas frente ao Colégio, na rua Vicente da Costa. Para elas deveria ser transferida a comunidade religiosa. O espaço antes ocupado por esta, ao longo da rua Pe. Marcheti, passaria a fazer parte do Colégio.

A ampla reforma destas duas casas e a transferência da comunidade para as mesmas, foram realizadas no reitorado do Pe. Laerte J. Cargnelutti. Foi também dele a reinstalação dos laboratórios de física, química, biologia, as novas salas de aula para o ensino médio e todo um trabalho de modernização do Colégio, tanto na construção de um novo ginásio esportivo como no aspecto exterior, com um novo visual na pintura do prédio.

Foi muito sentida a súbita morte do Pe. Laerte, impactado com um infarto cardíaco fulminante em março de 2005.

Em sua substituição foi nomeado Reitor do Colégio o Pe. Manuel Madruga Samaniego, SJ em cujo mandato, começou a vigorar uma nova estrutura dos Colégios Jesuítas, já experimentada em outros colégios da Companhia de Jesus: O cargo de Reitor é desdobrado em dois cargos: O do Reitor, que representa a Companhia de Jesus, preside as reuniões do conselho diretor e supervisiona o cumprimento das metas educacionais da Companhia no colégio; o cargo do Diretor Geral leva o dia a dia do Colégio, tanto na parte pedagógica como na administrativa. Nesse caso o Diretor Geral é o professor Gilberto Santo Covre, antes diretor pedagógico.

Paróquia a qual faz parte 
Mosteiros, Igrejas Históricas, Oratórios da Região Ipiranga
Lugar - VF - Categoria e Nome 
Capela São Francisco Xavier (Colégio)

Missas

Sacramentos

Confissões