X
Crie um atalho da ArquiSP no seu aparelho Acesse o Menu do navegador e clique em Adicionar atalho
X
Crie um atalho da ArquiSP no seu aparelho. Toque no icone e selecione "Tela de início".

Da Arquidiocese


Primeira fase da Diocese

No período de 1745 até 1824 vivemos a fase das lutas pela independência da coroa portuguesa e a teologia liberal que impregnará os padres e bispos da época. É tempo de revoltas em toda a colônia com revoluções comandadas inclusive por padres como Frei Caneca na Confederação do Equador no Pernambuco.

Havia uma forte reivindicação de uma Igreja nacional e o ideal de liberdade e emancipação do jugo português vai crescendo até a emancipação. Os grandes senhores agrícolas se estabelecem em torno da cana de açúcar e o trabalho escravo vê reforçado sua crueza no massacre de milhões de africanos trazidos à força pelos navios negreiros. Nações inteiras como os nagôs, bantus, iorubás e jejes são escravizados e forçados pela Igreja a abandonar suas religiões tradicionais africanas assumindo sob o chicote o batismo cristão.

São Paulo teve como bispos neste período Dom Bernardo Rodrigues Nogueira (15.07.1746 - 07.11.1748), Dom Frei Antonio da Madre de Deus Galvão, ofm (28.06.1751 - 19.03.1764), Dom Frei Manuel da Ressurreição (07.12.1771 - 21.10.1789), Dom Mateus de Abreu Pereira (04.11.1795 - 05.05.1824), todos de origem portuguesa.

Este último participou ativamente e assiduamente dos acontecimentos políticos e da Independência do Brasil. Apoiou claramente a independência com o apoio do Cabido e do clero paulista. Fez parte do triunvirato que governou São Paulo. Mesclava idéias regalistas e liberais.

Segunda fase da Diocese

No período de 1824 até 1938 vivemos o período da reforma católica da Igreja. A sociedade vive o período da revolução industrial nascente e da expansão capitalista. O fenômeno migratório que sempre caracterizou a geopolítica nacional vê-se agora marcado pela imigração de assalariados alemães, espanhóis e italianos. A Igreja vive a crise da formação do Estado liberal e o final do império, com forte característica clerical. É a reforma tridentina enfim chegando com força em terras brasileiras. É a nova cristandade convivendo com a luta abolicionista e a maçonaria. São Paulo passa neste período de 80 mil negros escravos a contar 174 mil escravos, particularmente nas fazendas de café. Em 1852, começam a chegar suíços trazidos para Rio Claro e em seguida alemães e italianos. No dia 18 de julho de 1908, pelo navio Kasato Maru, os imigrantes japoneses chegarão ao interior paulista, instalando-se na linha Mogiana, introduzindo um novo mundo de relações, línguas, costumes e diferenças étnicas e religiosas. Vieram 300 mil alemães, cerca de 60 % luteranos principalmente para o sul do país. Nesta fase chegam os dissidentes da Igreja anglicana, e os templos de Igrejas protestantes são construídos em São Paulo a partir de 1871 sendo que em 1910 chegam os pentecostais.

No dia 03 de julho de 1858 começava a funcionar o Cemitério da Consolação, por ocasião da epidemia da varíola. Este era o primeiro cemitério organizado pela municipalidade. Entre 1775 e 1858 os cadáveres de escravos e indigentes eram amontoados em buracos abertos na rua dos Aflitos, no atual bairro da Liberdade.

Cinqüenta e dois por cento dos 580 mil habitantes da cidade, empregados como mão de obra na indústria paulistana em 1920 eram estrangeiros. A cidade de terra e barro é destruída e o tijolo torna-se o novo material das casas e igrejas. Em seguida o cimento armado. É a revolução das estruturas e arquiteturas.

São Paulo teve como bispos deste período: Dom Manoel Joaquim Gonçalves Andrade (11.11.1827 - 26.05.1847), Dom Antonio Joaquim de Mello, primeiro brasileiro (14.06.1852 - 16.02.1861), Dom Sebastião Pinto do Rego (10.06.1862 - 30.04.1868), Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho (07.01.1873 - 19.08.1894), quando foram criadas as novas dioceses de Porto Alegre (1848), de Curitiba (1892), de Pouso Alegre (1900), e de Florianópolis (1906), ficando a diocese de São Paulo reduzida ao território do Estado de São Paulo; Dom Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti (30.09.1894 - 24.07.1897), Dom Antonio Candido de Alvarenga (25.03.1899 _ 01.04.1903), Dom José de Camargo Barros (24.04.1904 - 04.08.1906), e Dom Duarte Leopoldo e Silva (14.04.1907 - 13.11.1938). Durante seu governo inicia-se a construção da nova catedral em 1913 e São Paulo é elevada à categoria de arquidiocese, por decreto do Papa Pio X, quando são criadas de seu território as dioceses de Botucatu, Campinas, Ribeirão Preto e Taubaté, envolvendo a diocese de Curitiba como sufragânea até esta ser também elevada a Arquidiocese em 10 de maio de 1926.

Terceira fase da Diocese

Vive-se desde 1920 até 1964, a teologia da restauração católica, tendo como expoente o Cardeal D. Sebastião Leme do Rio de Janeiro. A Ação Católica se instala e cresce em todo o país, gerando filhos de porte intelectual como Alceu de Amoroso Lima. A ditadura militar de Getúlio Vargas de 1937-1945 encontra uma Igreja acomodada. O período populista e desenvolvimentista gerara a Democracia Cristã e uma teologia da neo-cristandade, seguida da teologia da recristianização da sociedade pela força do laicato organizado. Ao período das revoluções na década de 20, seguem-se as lutas por reformas sociais dos anos 30 e 40 até chegarmos ao golpe militar perpetrado em 1964. O fenômeno da urbanização marca a cidade de São Paulo que busca atender e responder de maneira tímida aos imensos desafios do urbano e da cultura emergentes.

Em 1940 a cidade possui 1.330.000 habitantes e segundo o censo, o Estado de São Paulo detinha 43 % da produção industrial e 35 % dos operários de todo país.

Foram arcebispos desta fase: Dom José Gaspar D'Afonseca e Silva (17.09.1939 - 27.08.1943), Dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota (30.08.1944 - 25.04.1964).

O Cardeal Motta instalou a PUC em 02.09.1946 e inaugura a atual Catedral em em 25.01.1954. Iniciou em 20.04.1951 a Campanha "Uma Igreja em cada bairro", inaugura em 02.03.1956 a Rádio 9 de Julho fechada em 1973 pela ditadura militar e lança o primeiro número do jornal semanal "O São Paulo" em 25.01.1956. Em 1954, no IV Centenário da cidade, o Estado de São Paulo possuia 14 dioceses e a população da nossa Arquidiocese era estimada em mais de três milhões, o que a colocava como a maior do Brasil e segunda da América do Sul. Contava com 203 sacerdotes diocesanos num vastíssimo território com vários municípios da grande São Paulo.

 

Quarta fase da Diocese

A partir de 1964 até 1998 a Igreja brasileira vive sob o signo da teologia da libertação e da opção preferencial pelos pobres. É período de renovação da teologia bíblica, de distanciamento do poder político, particularmente no pastoreio de Dom Paulo Evaristo Arns. É o momento do surgimento das CEBs e da valorização dos movimentos sociais emergentes e de resistência face à ditadura militar. Da Igreja das catacumbas até a conquista da cidadania, a Igreja paulopolitana assume o rosto dos pobres e muda de lugar social assumindo a causa dos pequenos.

Deste período temos como pastores: Dom Agnelo Rossi (01.11.1964 - 22.10.1970) e Dom Frei Paulo Evaristo Arns, ofm (01.11.1970 - 14.04.1998).

Assim que assume a diocese Dom Paulo incrementa fortemente a participação dos leigos nos passos do Concílio Vaticano II. Realiza a Operação Periferia, vendendo seu palácio Episcopal e assume destemida defesa dos direitos humanos constantemente violados pela ditadura militar. Torna-se voz dos sem voz e arauto da justiça social em nossa pátria. É de sua responsabilidade a edição do "Brasil, nunca mais", marco na luta contra a tortura.

Cria novas regiões episcopais, realiza amplo plano de pastoral urbana e lança as bases para a ação colegiada na grande metrópole de São Paulo. Criou as condições essenciais para a entreajuda do projeto "Igrejas-irmãs". Nestes últimos 25 anos Dom Paulo cria 43 paróquias e incentiva e apoia o surgimento de mais de 2000 comunidades de base nas periferias da metrópole paulistana, particularmente nas atuais dioceses sufragâneas de São Miguel, Osasco, Campo Limpo e Santo Amaro, além das regiões de Belém e de Brasilândia. Esta era a resposta eficaz e efetiva ao crescimento desordenado, à miséria e à migração constante para a capital de São Paulo.

Em 1975 tem como bispos auxiliares, Dom José Thurler, Dom Benedito de Ulhôa Vieira, Dom Francisco Manuel Vieira, Dom Mauro Morelli, Dom Joel Ivo Catapan e Dom Angélico Sândalo Bernardino, cada qual assumindo uma das seis regiões episcopais, divididas em setores de pastoral com autonomia e dinâmica próprias. Ainda serão escolhidos Dom Luciano Mendes de Almeida, Dom Alfredo Novak, Dom Antonio Celso Queiroz, Dom Fernando Penteado, Dom Antonio Gaspar e Dom Décio Pereira.

Cada setor deverá assumir e articular as quatro prioridades escolhidas pelo povo: Comunidades eclesiais de base, Direitos humanos e Marginalizados, Mundo do Trabalho e Pastoral da Periferia.

A arquidiocese começa a agir de acordo com planos de pastoral, nos moldes da CNBB, fixando a cada dois anos e depois a cada 4 anos objetivos e prioridades pastorais para garantir eficácia e unidade pastoral evangelizadora. Hoje estamos no sétimo plano válido para os anos de 1995 a 1998. Sempre motivados pelo lema: De esperança em esperança. As atuais prioridades são: Saúde, Moradia, Mundo do Trabalho e Educação. Depois de inúmeras divisões de seu território a Arquidiocese têm a seguinte configuração no ano de 1995: Existem atualmente em 1995, seis regiões episcopais, cincoenta setores de pastoral, três vicariatos ambientais, 261 paróquias territoriais e pessoais, dez santuários, 461 comunidades eclesiais de base, 25 pastorais articuladas na cidade, 36 movimentos de leigos, coordenados por dezenas de ministros e ministras leigas, com o apoio também ministerial de 2337 religiosas, 771 sacerdotes diocesanos e religiosos, 59 seminaristas, seis bispos auxiliares e o pastor diocesano, Dom Paulo Evaristo Arns. A arquidiocese compreende somente 635.33 Km² dos 1509 Km² do Município. A população em 1995 é estimada em nove milhões de habitantes.

Quinta fase da Diocese

23 Maio 1998
Dom Cláudio Hummes foi nomeado em 15.04.1998 Arcebispo de São Paulo e tomou posse em 23.05.1998. Foi criado Cardeal Presbítero do Título de Santo Antônio de Pádua na Vila Merulana em 21.02.2001, pelo Papa João Paulo II. O Papa Bento XVI nomeou, em 30 de outubro de 2006, Sua Eminência Cardeal Cláudio Hummes, OFM para Prefeito da Congregação para o Clero.



Abril 1999
Foi criada a  Pastoral da Comunicação da Região Episcopal Sé (PASCOM);

02 Junho 1999
Na Festa de Corpus Christi, foi solenemente inaugurada a Capela da Cúria da Região Episcopal Sé;

Fevereiro 2000
No jubileu do ano 2000, Dom Cláudio Hummes designou na Região Episcopal Sé, para cumprimento da Indulgência Plenária, durante o ano do jubileu, as seguintes Igrejas: Catedral Metropolitana Nossa Senhora da Assunção e São Paulo, Igreja de São Francisco de Assis, Igreja de Nossa Senhora do Rosário de Fátima,  Igreja de São Paulo da Cruz, Igreja de Nossa Senhora da Consolação, Igreja de Nossa Senhora do Monte Serrat; Igreja do Beato Frei Galvão e Igreja da Capelania Militar Santo Expedito.

10 Março 2001
Dom Manuel Parrado Carral é ordenado Bispo por Dom Cláudio Hummes, em São Paulo, adotando o lema: “Anunciamos Jesus Cristo”. Foi nomeado Vigário Episcopal para a Região Episcopal Sé;



24 Março 2001
Dom Manuel Parrado Carral em Celebração Eucarística, presidida por ele, às 16h na Igreja Nossa Senhora de Fátima, no Sumaré, é acolhido pelo povo na Região Episcopal Sé.

27 Julho 2002
Dom Cláudio Hummes nomeia Dom Manuel Parrado Carral  Vigário Geral e moderador da Cúria Metropolitana;

01 Outubro 2004
Em cerimônia presidida por Dom Manuel Parrado Carral, na Festa Litúrgica de Santa Terezinha do Menino Jesus, com representantes da Pascom Regional foi lançado oficialmente o site da Região Episcopal Sé, www.regiaose.org.br;

01 Janeiro 2005
Setores - Depois de um discernimento realizado com os padres e algumas coordenações de setores, decidiu-se que  a Região Episcopal Sé passaria a contar com 10 (dez) setores: Aclimação, Bom Retiro, Brás, Catedral, Cerqueira César, Jardins, Paraíso, Perdizes, Pinheiros, Santa Cecília. As paróquias do antigo setor Pari foram absorvidas pelo setor Bom Retiro;

18 Julho 2006
Em reunião do Conselho de Bispos da Arquidiocese de São Paulo, o Arcebispo Metropolitano de São Paulo Dom Cláudio Hummes, distribuiu responsabilidades em âmbito arquidiocesano aos Bispos Auxiliares, além das responsabilidades de suas respectivas Regiões Epicopais, tendo em vista a chegada de dom João Mamede Filho e transferência de dom Benedito Beni dos Santos;

Dom Manuel Parrado Carral: vigário geral e moderador da Cúria Metropolitana, bispo responsável pelos seminários arquidiocesanos, pelos diáconos permanentes e pela Pastoral Vocacional.

22 Março 2007
Acolhida aos Religiosos e Religiosas que chegaram para trabalhar na  Região Episcopal Sé.

14 Junho 2007
Dom Manuel Parrado Carral, Bispo Auxiliar de São Paulo - Vigário Episcopal para a Região Sé, é eleito para o Conselho Econômico do Regional Sul 1 da CNBB, durante a 70ª Assembléia dos Bispos do Brasil.

02 Dezembro 2007
Acolhida à sua Eminência Reverendíssima Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer por Dom Manuel Parrado Carral, Bispo Auxiliar de São Paulo, em nome dos Bispos Auxiliares, sacerdotes, diáconos, seminaristas, religiosos e religiosas e de todos os fiéis.

09 Janeiro 2008
A Santa Sé, através da Nunciatura Apostólica, comunica que no dia de hoje, 09 de janeiro de 2008, Sua Santidade o Papa Bento XVI nomeia o Bispo Auxiliar de São Paulo e responsável pela Região Episcopal Sé Dom Manuel Parrado Carral Bispo da Diocese de São Miguel Paulista em São Paulo.

23 Janeiro 2008
O Papa Bento XVI nomeou, hoje, dia 23 de janeiro de 2008, Padre Tarcisio Scaramussa, SDB para Bispo Auxiliar de São Paulo.

04 Março 2008
O Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, nomeou o Côn. Sérgio Conrado para Vigário Episcopal da Região Sé até a posse do novo Bispo Auxiliar de São Paulo e Vigário Episcopal da Região Sé, Mons. Tarcísio Scaramussa, SDB, que será acolhido no dia 03 de maio de 2008, na Catedral da Sé.

19 Abril 2008
Dom Tárcisio Scaramussa é ordenado Bispo em Vargem Alta - Espírito Santo, Diocese de Cachoeiro do Itapemirim.

03 Maio 2008
Posse do oficio de Bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo de Dom Tarcisio Scaramussa e apresentação de vigário Episcopal da Região Sé, na Catedral da Sé.

27 Maio 2008
O Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer nomeia Padre Pedro Frenech Vigário Geral da região Episcopal Sé, de acordo com as normas do Direito Canônico.

11 Junho 2008
Dom Odilo nomeia Dom Tarcísio Scaramussa, Bispo Referencial na Arquidiocese de São Paulo da Pastoral Bíblio-Catequética e do Setor Juventude.

14 Abril 2009
Falecimento do Padre Pedro Fenech, Cura da Catedral da Sé e Vigário Geral Regional.

01 Junho 2009
Padre Aparecido Silva é nomeado Vigário Geral da Região Sé.

Fevereiro 2010
Nomeações:
Coordenador Regional de Pastoral: Padre Sérgio Lucas Câmara
Ecônomo Regional: Padre Pedro Antonio Ariede

25 Agosto 2010
A comissão Regional se reuniu com a assessoria do Padre Marcelo Maróstica, com o objetivo de estudar a nova organização do Conselho Arquidiocesano de Pastoral, adequando a realidade pastoral da Região Episcopal Sé.

Setembro 2010
Por determinação de Dom Tarcísio a Comissão Regional de Presbíteros será desmembrada da Comissão dos Coordenadores de Setor, e será formada pelo Vigário Episcopal, Vigário geral regional, um padre indicado para cada setor e dois padres eleitos pelos padres da região que irão representar o clero da Região Sé no Conselho Arquidiocesano de Presbíteros.

Outubro 2010
Padre Bartolomeu da Silva Paz, foi eleito na reunião do clero presidida por Dom Tarcisío Scaramussa, para representar o Clero da Região Episcopal Sé, no Regional Sul I da CNBB.

02 Março 2011
O Conselho Regional de Pastoral se reúne com Dom Tarcísio, já em sua nova configuração estabelecida pelo regulamento do Conselho Arquidiocesano de Pastoral no ano passado, promulgado pelo Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo. Um dos temas da reunião foi a 1ª Carta Pastoral de Dom Odilo. "Paróquia, torna-te o que tu és".

16 a 20 julho 2013
Semana Missionária na Arquidiocese de São Paulo em preparação a JMJ; estão presentes jovens de 58 países, acolhidos em famílias, paróquias e colégios.

19 julho 2013
Vigília de encerramento da semana Missionária da Região Sé na Praça da Sé

27 de outubro 2013
Peregrinação da Região Episcopal Sé no Ano da Fé, do Largo São Bento até a Catedral da Sé, com o tema “Somos, peregrinos, pois caminhamos pela fé” (2Cor 5, 6a, 7a)

Março 2014
Ultimo número do boletim informativo Testemunho impresso

Abril de 2014
Primeiro número do boletim Testemunho, digital.

16 de julho de 2014
O Papa Francisco nomeou Dom Tarcísio Scaramussa, Bispo Coadjutor de Santos, transferindo-o de sua atual missão de Bispo Auxiliar de São Paulo

20 de agosto de 2014
Reunião do Conselho Regional de Pastoral destacou o tema da Iniciação à Vida Cristã à luz da exortação apostólica Evangelii Gaudium, com a assessoria do Padre Tarcísio Mesquita, coordenador do Secretariado Arquidiocesano de Pastoral.

20 de agosto de 2014
A Pia Sociedade de São Paulo, dos padres e irmãos paulinos, celebram 100 anos de fundação, a comemoração aconteceu na Paróquia Santo Inácio de Loyola, na Vida Mariana.

27 de agosto de 2014
A comissão de Presbíteros da Região Sé reuniu o clero para um almoço de confraternização e agradecimento a Dom Tarcísio Scaramussa pelos seis anos em que desempenhou a missão de Vigário Episcopal.

09 de setembro de 2014
Celebração Eucarística de despedida e ação de graças por Dom Tarcísio Scaramussa na Paróquia Santíssimo Sacramento.

12 de setembro de 2014
Dom Odilo Pedro Scherer nomeou e provisionou como Vigário Episcopal e Vigário Geral para a Região Episcopal Sé o Padre Aparecido Silva, atualmente Pároco da Paróquia do Santíssimo Sacramento.

13 de setembro de 2014
Dom Tarcísio Scaramussa toma posse do ofício de bispo Coadjutor da Diocese de Santos.

24 de setembro de 2014
Reunião mensal do clero da Região Sé, na Paróquia Nossa Senhora do Monte Serrate, contou com a presença de Dom Odilo Pedro Scherer, que falou sobre a caminhada da Região após a transferência de Dom Tarcísio Scaramussa para a Diocese de Santos e também tratou sobre a 3ª Assembléia Geral Extraordinário do Sínodo dos Bispos.
A reunião teve a assessoria do Padre João Edênio Valle que refletiu sobre vários aspectos da dimensão humana e afetiva da vida sacerdotal.

11 de outubro de 2014
Encontro anual, na Catedral Metropolitana, dos ministros extraordinários da Sagrada Comunhão da Região Sé, com a assessoria do Padre Luiz Eduardo Baronto.

21 e 22 de outubro de 2014
4º Encontro de Formação Litúrgica da Região Sé, na Paróquia Nossa Senhora da Consolação, com o tema do canto litúrgico abordado pelo professor, músico e liturgista, Márcio de Almeida.

29 de outubro de 2014
Reunião do clero da Região Sé, na Paróquia São José, contou com a presença do Cardeal Odilo Pedro Scherer, que falou sobre os assuntos refletidos no Sínodo dos Bispos, do qual participou.

1º de novembro de 2014
O Setor Juventude da Região Episcopal Sé, em comunhão com a Arquidiocese de São Paulo realizou uma vigília em preparação para o Dia Nacional da Juventude.

03 de dezembro de 2014
Confraternização do Clero, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima.